Recife (PE), Brasil

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Diário: 3o e último dia em Praga

Hoje fomos à cidade de Karlovy Vary, que é um balneário construído na cratera de um vulcão extinto e que tem algumas fontes térmicas, com temperaturas entre 30 e 75 graus. Como não tivemos tempo de pesquisar como chegar lá por conta própria, fomos com excursão opcional, com direito a almoço.


A cidade é bem interessante. Lembra um pouco Petrópolis, só que mais curiosa por seus muitos estilos arquitetônicos. Mas nada que valha os 65 euros pagos por pessoa (cerca de 200 reais).
As fontes e o geiser estão em praças e passeios abertos à visitação pública, mas num ambiente totalmente urbano, apesar de bucólico, bem diferente do que imaginei (pensei que seria algo do tipo Hotel Termas ou Caldas Novas). Também ficamos tempo demais lá, o que nos fez perder o dia inteiro.


Acho que vale mais à pena pesquisar antes da viagem o ônibus que chega até lá e ir por conta própria ou então ficar mesmo em Praga e ver algumas atrações que normalmente não dá tempo de ver, como palácios, museus e exposições, ou simplesmente olhar com calma as lojinhas de souvenirs.


Na volta, ficamos no centro e visitamos o Teatro Nacional, onde estava acontecendo uma apresentação pública (gratuita) do Teatro de Marionetes da Romênia. Depois fomos dar uma última olhada nas lojas de souvenirs, jantamos (acabei jantando no McDonalds, pois estávamos todos famintos e apressados) e retornamos para o hotel, não sem antes pararmos para tomar as saideiras no bar ao lado do hotel, o qual recomendo para qualquer um que ficar hospedado nos hotéis Olympique, Olympique Tristar ou qualquer outro que fique nas imediações da estação Invalidovna.


A cerveja servida lá é gostosíssima (Crusovice, considerada por muitos a melhor do mundo), geladíssima e a um preço muito bom (38 coroas ou 1,50 euro a caneca de 500ml), comparando com os outros bares da cidade, onde a cerveja ou é menos saborosa, ou menos gelada, ou mais cara que lá (na praça do relógio astronômico uma caneca chega a 90 coroas, ou perto de 4 euros). Aliás, o relógio astronômico é uma atração também imperdível, belíssimo e bem na praça mais agradável da cidade, especialmente à noite, quando a iluminação deixa tudo mais encantador.






Em resumo, Praga é uma cidade inesquecível, pela sua beleza, seus incontáveis castelos e construções medievais ou mais recentes, sua riqueza cultural (todo dia há inúmeros concertos e apresentações artísticas em dezenas de lugares espalhados pela cidade) e também por sua maravilhosa cerveja, pois fica na região da Boêmia, terra que tem os melhores ingredientes para a elaboração do precioso líquido amarelo.


Para se ter uma ideia, Plzen (lê-se Pilsen), cidade vizinha, é a terra da Pilsner Urquell (também excelente), que foi a primeira cerveja do tipo Pilsen (suave) e que deu nome a este tipo de cerveja (como temos as nossas Antarctica Pilsen, Brahma Pilsen, etc.). A Crusovice é um pouquinho mais encorpada, mais ou menos como se comparássemos a Nova Schin (muito suave) com a Skol.



Amanhã cedo estaremos seguindo rumo a Budapeste (Hungria), passando por Bratislava (Eslováquia). Será o dia inteiro de viagem. Depois dou mais notícias. Vamos ver se no hotel de lá tem internet.
Até lá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário