Recife (PE), Brasil

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Vídeo: Japonês inventa máquina que transforma plástico em petróleo

Infelizmente o vídeo é legendado em inglês, mas segue um texto do Blog Planet Green que explica o vídeo de forma bem sumária.



A produção e manufatura de plásticos consome 7% das extrações globais de petróleo. Depois de sua normalmente curta vida útil, os produtos plásticos deixam uma pegada difícil de apagar: lotam aterros sanitários, emitem carbono durante a incineração e, o que é ainda pior, formam grandes manchas de lixo no Pacífic e no Atlântico.

Ao que parece, este cenário pode mudar – e não em enormes usinas de processamento, mas dentro de nossas casas: uma empresa japonesa desenvolveu uma máquina capaz de converter plástico novamente em petróleo.

Segundo a empresa Blest, criadora da máquina, a ideia nao é apenas reciclar o plástico, mas fazer com que as pessoas valorizem o que jogam fora. Se a população pudesse transformar os resíduos em um recurso valioso, eles deixariam de ser vistos (e descartados) apenas como lixo.

Segundo um artigo de Our World 2.0, o aparelho é seguro porque utiliza um aquecedor elétrico, em vez de chamas, e é capaz de processar polietileno, poliestireno e polipropileno (tipos 2-4), mas não garrafas PET (tipo 1). O produto resultante é um gás de petróleo que poderia alimentar geradores e fornos, e até abastecer o motor de veículos depois de ser refinado. Com um quilo de plástico, pode-se produzir um litro de petróleo, consumindo um quilowatt de eletricidade.

Atualmente, a versão menor da máquina é comercializada no Japão por 9.500 dólares, mas a empresa espera que ela se torne mais acessível no futuro.

Obviamente, esta máquina não é a solução para a dependência de plástico da nossa sociedade. Mais do que reciclar, precisamos refletir sobre as vantagens de gastar enormes quantidades de matérias-primas e energia para produzir brinquedos, embalagens e produtos que são jogados no lixo pouco tempo depois de comprados.

E você, o que acha? Qual é a sua opinião sobre este invento?

Nenhum comentário:

Postar um comentário