Recife (PE), Brasil

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O sigilo fiscal e a lógica: convém não torturá-la

Do Blog do Azenha:
1 de setembro de 2010 às 23:52
O sigilo fiscal e a lógica: convém não torturá-la
por Luiz Carlos Azenha
Como já escrevi anteriormente, repito: há um submundo nas campanhas eleitorais, na intersecção frequentada por arapongas, ex-arapongas, policiais, ex-policiais, "operadores" diversos, leões de chácara etc. No caso da violação de sigilo na delegacia da Receita Federal de Mauá, há uma enorme gama de possibilidades:
1. que de fato tenha sido obra de uma das campanhas políticas;
2. que tenha sido manufaturado para aparecer justamente neste momento eleitoral, como "fato novo" suficiente para gerar escândalo (em tese, eu mesmo poderia ter encomendado aquela procuração falsa);
3. que tenha sido sobra de alguma outra operação, turbinada agora para servir a objetivos eleitorais.
O que não dá para fazer é torturar a lógica sem provas, criar uma cortina de fumaça, bombar um factóide sem base na realidade.
É o que está acontecendo? Parece que sim. Numa das emissoras de rádio da Bandeirantes, Dora Kramer, a comentarista do Estadão, disse que a situação está esquisita porque os governistas conseguiram barrar o depoimento do ministro da Fazenda, Guido Mantega, no Congresso. Ou seja, ela tentou sugerir que pelo fato de o ministro não depor a Dilma é culpada!
Mas o pior, mesmo, foi este argumento de Serra (25% no tracking do Vox Populi) contra Dilma (51%): o motivo para Dilma violar o sigilo fiscal da filha do tucano, Veronica, foi o medo de perder a eleição!
Ora, considerando que a violação aconteceu em setembro de 2009, quando Serra ainda disputava com Aécio Neves a indicação do PSDB, faria muito mais sentido acusar… Aécio de ter patrocinado a violação.
Resta lembrar que Collor, em 1989, quando atacou Lula, corria o risco de perder a eleição!
Repito: nenhum desdobramento deste caso me surpreenderia. Mas, enquanto a gente não sabe o que de fato aconteceu, convém não torturar a lógica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário