Recife (PE), Brasil

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Tecnologia: Hackers concluem que urna eletrônica é totalmente segura

Mais um ponto para o Brasil: nosso sistema de apuração eletrônica é modelo para o mundo inteiro. Dá até pra ficar um pouco mais seguro na hora de digitar o voto, embora sempre com um pé atrás.

Vejam a matéria abaixo:

Após testes no TSE, hackers dizem que urna eletrônica é totalmente segura


Depois de quatro dias de tentativa de fraudes nas urnas eletrônicas que serão usadas nas eleições de 2010, nenhum dos 37 hackers que participaram dos testes de segurança promovidos pelo Tribunal Superior Eleitoral conseguiu burlar o sistema eleitoral brasileiro.


Os grupos de “investigadores”, como são chamados pelo TSE, já concluíram os planos de ação que haviam preparado.

Embora nenhum hacker tenha conseguido alterar a destinação do voto digitado na urna ou quebrado o sigilo do voto, o secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Giuseppe Janino, observou que as sugestões dos “investigadores” “certamente contribuirão bastante e serão estudadas e implementadas.”

“Tivemos a identificação da fragilidade de um envelope que guarda a “flash memory” da urna eletrônica. Isso é uma contribuição que vai nos ajudar a implementar para a próxima eleição um envelope com dispositivo mais eficaz de segurança”, afirmou o secretário. Ele se referiu ao experimento do grupo da Cáritas Informática, empresa privada de auditoria, que, apesar de ter conseguido lacrar o envelope, não conseguiu burlar o cartão de mémoria da urna.

Um dos representantes da Cáritas, o físico Edison Alonso disse que conseguiu romper o lacre do envelope, localizado dentro da urna, e recolocá-lo, praticamente sem deixar vestígios. No entanto, ele não conseguiu alterar a base de eleitores do cartão. “Foi uma tentativa sem sucesso, porque não foi possível fazer qualquer alteração no cartão. Depois da tentativa de fraude, a urna emitia mensagens recusando o cartão”, detalhou.

Alonso também testou a aplicação de fraudes contra os lacres da própria urna (aquelas proteções para que o equipamento não seja aberto). Por meio de técnicas como o uso de bisturi, de álcool, de calor e até ataque químico, o hacker conseguiu abrir a urna, mas considerou que o “ataque” não foi eficaz. “Os lacres das urnas sempre deixaram vestígios de violação, quando rompidos e depois recolocados”, explicou.
 
Veja a matéria na íntegra em: Portal G1.

Um comentário:

Anônimo disse...

Acorda Brasil!

Está claro que as urnas já vão com "o voto dentro".
Senão, vejamos:
Não há como auditar os votos.
Não existe nem algumas "seções testemunha" onde o voto seria no papel e na urna.
A "infalibilidade" pró-forma, lembra mais a fraude garantida...
Apenas um pequeno grupo de pessoas controla a emissão dos resultados.
Um cargo destes vale muito dinheiro e influência, vide os exemplos do Arruda.
Quem audita os auditores?

Postar um comentário