Recife (PE), Brasil

terça-feira, 19 de julho de 2011

Maratona e Meia-Maratona do RJ - Resultados oficiais

Saiu o resultado oficial da Maratona e da Meia-Maratona Caixa do Rio de Janeiro.

Meu tempo oficial foi de 2h26m12s (média de 6,96 min/km). Terminei na posição 3069 de 3498 participantes masculinos na meia-maratona. Na classificação geral, juntando com o feminino, fiquei na colocação 4293 de 5226 participantes (na frente de quase mil).
Estou muito feliz com meu desempenho, pois antes da corrida nunca esperei concluí-la com tempo abaixo de 7min/km.
Mas à medida que a prova avançava e via que continuava com um bom ritmo, passei a acreditar, pois sempre mantinha uma pequena folga em relação a esta média.
Até bem perto da chegada, faltando uns 3km, ainda pensei que concluíria em menos de  2h25, mas no final senti um pouco e caí um pouco de ritmo.
De qualquer forma, estou muito feliz, pois a prova foi muito além de minhas expectativas. No dia anterior até temi não conseguir completá-la, pois passei o dia e a noite com rinite, corizando e espirrando, graças a 3h de ar gelado do voo Recife-Rio, inclusive durante o jantar de massas, no La Mole, onde o guardanapo serviu de lenço o tempo todo. ;-).

Jantar de Massas no La Mole, com Sandrinha Grizzi (do Facebook dela).
Olha a cara de gripe (e o guardanapo ali do lado).
Mas graças a um Neo-Soro, que comprei no fim da noite, consegui dormir bem e acordar pronto para o desafio. Eu e Marinês acordamos por volta das 4h da manhã e pegamos ônibus separados para o local da largada, já que ela iria fazer a Maratona e eu a Meia.
Quando cheguei no local da largada, por volta das 6h15, ainda estava começando a clarear o dia, e a temperatura estava em torno de 17 ou 18º.
Logo no início, fizemos uma espécie de retorno para subir o viaduto que leva ao Túnel do Joá. Na verdade são dois longos túneis interligados por um elevado, que ligam a Barra da Tijuca à Zona Sul. Uma construção muito pitoresca, mas um tanto claustrofóbica.
RJ Notícia - Elevado do Joá
Seguimos pela parte coberta do elevado. Na foto abaixo, Julio Cordeiro com sua sapatilha FiveFingers, na forma do pé (achei esta foto por acaso no site fotocom.net e o reconheci pela silhueta).

Fotocom.Net - Corrida passando pelo Elevado do Joá
 Felizmente na segunda parte do túnel havia um jogo de luzes muito interessante, com bonequinhos correndo e outros batendo palmas, além de música-ambiente, o que quebrou a monotonia do longo túnel.
Fotocom.Net - Iluminação no Túnel do Joá
Depois, no Km 7, vem outra subida desafiadora, a subida da Av. Niemeyer, em São Conrado. Quando fiz a Meia Internacional em 2009 tirei-a de letra, pois ela fica no início daquela prova, mas na Meia da Caixa, depois de 7km de corrida, ela já parece bem mais difícil e longa.

Fotocom.Net - Subida da Niemeyer
Depois é só curtir Leblon e Ipanema, com muita beleza e muita sombra.Só quando chega em Copacabana, por volta do km 14, é que o bicho pega, pois apesar da beleza, o sol nos atinge em cheio durante todo o percurso da linda e longa praia. Durante o percurso, encontrei as integrantes da equipe Baleias, Mariana, irmã de Julio, que fazia sua primeira meia, e Tamara. Corri algum tempo ao lado de cada uma e depois acabei me afastando de ambas, que fizeram os tempos de 2h46m05s e 2h27m28s, respectivamente.
Mas foi a partir do km 17 que as pernas começaram a pesar um pouco, talvez por causa do sol de Copacabana, mas muito por causa do desgaste natural da distância percorrida. Mas aí eu já estava no automático e queria mais era saber de chegar.
Depois que concluí a prova, fui para o hotel, tomei banho, troquei de roupa, arrumei a sacola e fiz a primeira postagem sobre a corrida. Logo depois, fui para o Bar Belmonte, que fica em frente à chegada e lá já encontrei Julio, Jacqueline e outros conhecidos. Tomei  três chopes e fui aguardar a chegada de Marinês. Vi as chegadas de Miguel Baleia, Ezio e Marinês, que chegaram bem próximos. Ela concluiu no tempo de 5h02m08s (posição 368 de 458 mulheres e 2265 de 2641 no geral).
Tomamos mais alguns chopes no Belmonte e depois fomos descansar no hotel.
Saímos às 15h e fomos almoçar no Alcaparra, na esquina da rua do hotel (um restaurante caro e com refeições bem reduzidas, apesar de saborosas).
De lá fomos encontrar o pessoal no Cobal do Humaitá, um lugar muito agradável, espécie de mercado só de barzinhos. Assistimos o jogo do Brasil enquanto tomávamos 5 litros de chope, servido em torres de 2,5L. O jogo foi um desastre, mas o bate-papo e a bebemoração pela corrida foram ótimos.
De lá partimos direto para o aeroporto, já à noitinha, para a viagem de volta.
Enfim, foi uma viagem bastante "corrida" (literalmente), mas valeu muito a pena, com novas realizações e medalhas na bagagem, com a Graça de Deus.
Ainda não consegui imagens nossas da corrida, pois ainda não estão disponíveis na internet. Quando as tiver, atualizo a postagem.

5 comentários:

irmascordeiro disse...

Muito bom mesmo. Um grande abraço! Até a próima!Mariana

elis disse...

parabéns, edilson e marinês!!!!

prova linda!!!

bjs

Anônimo disse...

Valeu campeão!! Parabéns para você e sua amada.
Lindas fotos e bela paisagem.
Em breve queremos ver você fazendo uma Maratona, tá perto meia você já craque, é só treinar um pouquinho.
Amo vocês!!!
LULA HOLANDA - ACORJA-RECIFE

Blog do Edilson disse...

Obrigado, Mestre Lula Ioda.

Você é uma inspiração para mim e para todos nós.

Quanto à maratona, vamos devagar que o santo é de barro.

Grande abraço,

Edilson.

Blog do Edilson disse...

Obrigado, Elis e Mariana,
Foi realmente muito bom.
Também espero reencontrá-las nas próximas aventuras pedestrianísticas mundo afora.

Postar um comentário