Recife (PE), Brasil

domingo, 25 de abril de 2010

Quando o preconceito nasce de quem pensa com os pés!

Texto de Atila Nunes, repassado por Marinês Melo:

Aconteceu um incidente grave em São Paulo, que contraria tudo aquilo que se fala sobre o lado bom e generoso do povo brasileiro.


O incidente abaixo foi primeiramente noticiado pelo jornal Folha de SP ontem e depois pelos demais em todo o país.

O Lar Mensageiros da Luz é um abrigo de crianças, adolescentes e adultos de ambos os sexos, com deficiência, especificamente paralisia cerebral. Atualmente atendem 38 pessoas da Baixada Santista, SP

E de onde vêm esses deficientes?


São deficientes em risco pessoal e social encaminhados pelo Poder Judiciário, Conselho Tutelar, Poder Executivo Municipal ou espontaneamente.

O INACREDITÁVEL

Como tudo começou? Foi programada na Semana Santa uma visita de jogadores do Santos F.C. ao Lar Mensageiros da Luz, que dá assistência à paralisia cerebral. Seriam entregues ovos de Páscoa.

Quando o ônibus parou á porta da instituição, alguns jogadores como Neymar, Robinho, Fábio

Costa, Durval, Léo, Marquinhos e Brum se recusaram a descer.

Ganso chegou com seu próprio carro e, antes de entrar no local, foi chamado pelos colegas que estavam no ônibus (eles gritaram e bateram nas janelas). Ganso entrou no ônibus e não saiu mais.

A razão? Souberam que a instituição tinha sido fundada por espíritas.

O presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro foi até o ônibus e conversou com os atletas. "Falei para os jogadores que o Santos tem que provar que não é apenas um time de futebol"

O técnico Dorival Júnior, visivelmente constrangido, disse que deixara claro que era uma atividade paralela às atividades do clube e que não era obrigatória a presença de todos. “Era pra ser algo fraterno, buscando uma troca com aquelas crianças que têm muito mais para nos ensinar do que temos para lhes oferecer” - disse o técnico santista.

Dentro da instituição, os jogadores que participaram da doação dos 600 ovos, entre eles Felipe, Edu Dracena, Arouca, Pará e Wesley, conversaram e brincaram com as crianças.

Em entrevista à TV Bandeirantes, Robinho e Neymar disseram que sua religião (evangélica) precisa ser respeitada. Por isso não desceram do ônibus para visitar os deficientes que os esperavam.

“Só ficamos sabendo quando chegamos ao local que se tratava de um ambiente espírita” – disse Robinho

Evangélico, Neymar disse o seguinte: “Fiquei sabendo dos rituais religiosos (sic) realizados no local somente quando cheguei lá. Tomei essa atitude, pois tinha receio de não me sentir bem".

E DEPOIS?

Essa notícia me foi trazida pelo meu filho e companheiro de jornada, Átila Nunes Neto, que como eu, estava chocado. Meu filho é um homem de 36 anos e foi criado num lar espiritualista, mas sempre alertado para que jamais sua fé passasse por cima dos princípios básicos da fraternidade.

Chico Xavier dizia que se Allan Kardec tivesse dito que “Fora do Espiritismo não há salvação”, ele não teria seguido os passos da Doutrina Espírita.

Mas, Kardec disse que “Fora da caridade não há salvação”. E a gente aprende que na caridade não há excessos e que deve ser a felicidade dos que dão e dos que recebem.

O preconceito no caso de alguns jogadores do Santos superou a caridade. É uma pena. Eles teriam invadido de alegria os corações daquelas crianças com paralisia cerebral.

Mas o preconceito é uma opinião não submetida à razão.

Pior mesmo, é quando o preconceito religioso surge de quem pensa com os "pés"!

Obs. de Edilson: Felizmente alguns jogadores do Santos superaram o preconceito e participaram da entrega dos óvos de páscoa, como mostrado no primeiro vídeo abaixo, o que evitou que a visita fosse um completo desastre.



Depois do episódio, alguns jogadores demonstraram arrependimento no programa do Datena. Menos mal, mas se não houvesse a repercussão, eles se arrependeriam?



O pior preconceito é o preconceito religioso, pois vai contra a lei maior do amor, que o próprio Cristo nos ensinou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário