Recife (PE), Brasil

terça-feira, 5 de junho de 2012


Brasil sedia comemorações pelo Dia Mundial do Meio Ambiente

O Brasil sedia neste ano as comemorações globais pela passagem do Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado anualmente no dia 5 de junho. Segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), órgão responsável pela organização, o País foi escolhido por ser “dono de uma das economias que crescem mais rapidamente no mundo e pelo destaque em políticas de reciclagem, energia renovável e geração de empregos verdes”. O tema deste ano é “Economia Verde: Ela te inclui?”.
O líder do PT na Câmara, deputado Jilmar Tatto (SP), afirma que o Brasil tem demonstrado que é possível conciliar o desenvolvimento econômico e social com a preservação do meio ambiente. “O Brasil é reconhecido internacionalmente por estar se desenvolvendo do ponto de vista econômico, distribuindo renda, gerando empregos e, ao mesmo tempo, preservando o meio ambiente”, destacou. Ainda de acordo com o líder, “esse caminho é fruto de uma decisão política do governo”.
Segundo o Pnuma, o tema “Economia Verde: Ela te inclui?” convida o planeta a avaliar de que forma esse novo formato de Economia influencia no dia-a-dia das pessoas e qual a sua relação com o desenvolvimento. Segundo o órgão, esse conceito abrange os resultados sociais, econômicos e ambientais necessários em um mundo com sete bilhões de pessoas, que deve chegar a nove bilhões em 2050.
Definição – O conceito de Economia Verde pode ser definido como o conjunto de processos produtivos da sociedade e as transações deles decorrentes que resultem na melhoria do bem-estar humano e da igualdade social, ao mesmo tempo em que reduz os riscos ambientais e a escassez ecológica. De forma mais simples, uma economia verde pode ser entendida como uma economia de baixa emissão de carbono, uso eficiente dos recursos naturais e inclusão social.
Código Florestal – De acordo com Jilmar Tatto, a prova maior do compromisso do governo com a implementação da Economia Verde no País é a reforma do Código Florestal. “O governo brasileiro apresentou um novo Código que preserva o meio ambiente, recupera as áreas degradadas e ao mesmo tempo permite o sustento dos agricultores, principalmente os pequenos produtores”, ressaltou.
Além dessas medidas, segundo ele, “o País também adota uma avançada política de preservação das florestas e dos parques nacionais e de produção de energia a partir de uma matriz limpa”. O líder petista afirma ainda que nesse Dia Mundial do Meio Ambiente “o Brasil pode comemorar o sucesso de suas políticas que conciliam o crescimento econômico e a preservação ambiental”, conclui.

País é destaque mundial em desenvolvimento sustentável, afirma Pnuma

O Brasil tem se destacado na construção de uma economia que inclui a preservação das florestas, a energia renovável, a reciclagem e a geração de empregos verdes. É o que afirma o relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), chamado “Economia Verde:
Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a erradicação da Pobreza”. Ainda de acordo com o texto, essas iniciativas contribuem para reduzir, “de forma significativa”, a emissão de gases causadores de efeito estufa.
Para o presidente da Comissão sobre Mudanças Climáticas do Congresso, deputado Márcio Macêdo (PT-SE), esse exemplo deve ser seguido na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. “Ao cumprir seus compromissos de proteção ao meio ambiente, com ousadas políticas públicas, aperfeiçoando a legislação e, ao mesmo tempo, distribuindo renda, o Brasil assume, naturalmente, posição de destaque entre os países que adotaram o modelo de desenvolvimentos sustentável”, destaca.
Em 2009, o Brasil assumiu voluntariamente o compromisso internacional de reduzir entre 36,1% e 38,9% as emissões de gases de efeito estufa até 2020. Nesse sentido, o governo federal investe em monitoramento, principalmente na Amazônia, para reduzir o desmatamento. Até 2020, segundo o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), a redução da emissão de CO2 deve atingir 80,5%, em relação à quantidade lançada na atmosfera em 2005.
Energia Limpa – De acordo com o Pnuma, o Brasil também é líder na produção de etanol (combustível para veículos), além de ter aumentado os investimentos em energia eólica e solar. O secretário Nacional Agrário do PT, deputado Bohn Gass (PT-RS), cita entre as experiências inovadoras nessa área, “a realizada pela hidrelétrica de Itaipu (PR), que transforma dejetos de suínos em gás, e o gás em energia elétrica”.
Ao destacar ser “totalmente favorável” a investimentos em energia a partir de matrizes limpas, caso das usinas hidrelétricas, Bohn Gass defende a “mitigação dos efeitos sociais e ambientais causados pelas inundações nas áreas de usinas”. Segundo o Ministério de Minas e Energia, 45% da produção de energia do País e 90% de eletricidade proveem de matriz energética limpa.
Reciclagem – A indústria de reciclagem brasileira também é elogiada pelas Nações Unidas. Esse mercado, segundo o Pnuma, gera US$ 2 bilhões ao País e contribui para reduzir em dez milhões de toneladas na emissão de gases de efeito estufa. De acordo com o órgão, o setor já emprega três milhões de pessoas, aproximadamente 7% do total de empregos formais do Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário